Nos ajude nessa causa DOE AGORA
Consultor da Fundação do Câncer participa de Fórum de especialistas

Consultor da Fundação do Câncer participa de Fórum de especialistas

A Fundação do Câncer participou do 6º Fórum Big Data em Oncologia, do Movimento Todos Juntos Contra o Câncer, representada pelo epidemiologista e consultor médico Alfredo Scaff. Os temas em destaque no evento, realizado no dia 14 de julho, foram os cânceres de pulmão, de próstata e colorretal, além das diferenças entre homens e mulheres nos cuidados de saúde.

Scaff defendeu a ampliação dos registros de câncer e explicou que eles contribuem para aumentar a efetividade dos tratamentos oferecidos. No entanto, para isso, as instituições públicas, assim como as da iniciativa privada, devem incluir suas informações nestas bases. Para o epidemiologista, o ideal é que mais dados sejam disponíveis e ajudem a acompanhar e aprimorar as políticas de controle da doença.

Fernando Maluf, oncologista e fundador do Instituto Vencer o Câncer, também estava entre os debatedores, e destacou a importância do desenvolvimento de mais centros de excelência para tratar o câncer.


Cadastre-se para receber notícias da Fundação do Câncer e seja nosso doador.

Fundação do Câncer reforça seu apoio às medidas antitabagismo em reunião com a Anvisa

Fundação do Câncer reforça seu apoio às medidas antitabagismo em reunião com a Anvisa

O diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni e consultor médico da entidade, Alfredo Scaff, se reuniram com diretora da 3ª Diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Cristiane Rose Jourdan Gomes, e sua Adjunta, Fabiana Barini Rodrigues Alves, de forma virtual em 8 de abril. Na pauta, os malefícios do uso de aditivos em produtos do tabaco à saúde e a necessidade de proibir sua comercialização, além da importância da renovação e manutenção do controle sanitário sobre a venda de cigarros e das advertências nas embalagens de cigarro.

“Nosso objetivo foi reforçar A disposição em contribuir para o combate ao tabagismo, a pesquisa e o controle do câncer, além de apresentarmos as ações que a Fundação tem realizado nesta área. Reafirmamos a preocupação com os Dispositivos Eletrônicos de Fumar (DEFs) que podeM causar a dependência da mesma forma que o cigarro tradicional e estimular a iniciação ao tabagismo entre os jovens. No entanto, a indústria tabageira busca aliar o uso dos DEFs à cessação do tabagismo”, destaca o epidemiologista Alfredo Scaff.

O cigarro é associado a cerca de 90% dos casos de câncer de pulmão, órgão que é muito atingido pela dependência da nicotina e do consumo do tabaco aquecido. “Falamos sobre esses temas além de apresentar a Fundação como entidade privada e filantrópica, com destacada atuação no combate ao tabagismo no Brasil. Nos colocamos à disposição da Anvisa para parceria e atividades conjuntas”, destacou o diretor executivo da Fundação do Câncer.

Maltoni argumenta que a pandemia acabou interferindo para o tabagismo no país, o que pode trazer impacto para o Sistema Único de Saúde. “Pesquisas já registraram que fumantes e ex-fumantes apresentam mais complicações da Covid e, também, que algumas pessoas voltaram a fumar devido a ansiedade provocada pelo isolamento social e a crise socioeconômica gerada pela pandemia. Todo o sistema de saúde precisa continuar com as campanhas de alerta à saúde. É preciso agir e seguir trabalhando, dialogando e nos colocando disponíveis aos órgãos de controle e para o benefício de toda a sociedade”, concluiu Maltoni.

FUNDAÇÃO DO CÂNCER COMPLETA 30 ANOS

FUNDAÇÃO DO CÂNCER COMPLETA 30 ANOS

Atuando em projetos e programas de controle do câncer, desde 1991, a instituição vem mantendo uma constante busca por inovação em defesa da vida.

No dia 19 de fevereiro de 2021, a Fundação do Câncer completou, oficialmente, 30 anos. A celebração é compartilhada com todos conselheiros, diretores, funcionários e colaboradores, inclusive os que já passaram pela instituição, além dos apoiadores e doadores que, desde 1991, vêm construindo juntos esta bela história de dedicação à vida por meio do controle do câncer.

Para marcar este momento tão significativo, a Fundação lançou um selo comemorativo que representa bem sua trajetória até aqui: a inovação nas ações pelo controle do câncer. Assim, 2021 será norteado pelo slogan: Inovar para viver. Viver para Inovar. A peça é uma criação da Sb Comunicação.

“Apesar do momento difícil que o mundo vem enfrentando, não podemos deixar de valorizar esta data tão simbólica e especial. Afinal, completar 30 anos é um marco para qualquer instituição, especialmente, para as sem fins lucrativos como a nossa. Temos consciência do muito que realizamos, e, também, pleno compromisso com o tanto que ainda precisamos fazer para seguir transformando a realidade do controle do câncer no nosso país”, explica o diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni Jr.

Uma história de trabalho e inovação

Criada pelo médico Marcos Moraes – na época, diretor geral do Instituto Nacional de Câncer (Inca) – juntamente com outros três médicos: Jayme Marsillac, Ulpio de Miranda e Magda Rezende –, a Fundação Ary Frauzino para Pesquisa e Controle do Câncer se expandiu e ajudou a transformar o cenário do câncer no Brasil. São 30 anos captando e investindo recursos em pesquisa, prevenção, diagnóstico precoce, assistência, programas e projetos relacionados a transplante de medula óssea e sangue de cordão umbilical, cuidados paliativos e consultoria para estados e municípios visando a melhoria de processos no tratamento de câncer, além, é claro, do apoio ao Inca e todas as atividades do Programa Nacional de Controle do Câncer.

Veja como apoiar a Fundação do Câncer

Quem deseja fazer parte deste trabalho pode se cadastrar agora mesmo para colaborar mensalmente a partir de R$ 15,00. Também é possível realizar doações pontuais, quando desejar, ou transformar os presentes de aniversário ou entradas de eventos em doações para a Fundação do Câncer via plataforma Tag Hope.

Visite a área do doador e apóie a Fundação do Câncer!

No dia mundial da prevenção do câncer de colo de útero, a Fundação do Câncer reforça a importância da vacinação contra o HPV

No dia mundial da prevenção do câncer de colo de útero, a Fundação do Câncer reforça a importância da vacinação contra o HPV

No dia mundial da prevenção do câncer de colo de útero, a Fundação do Câncer reforça a importância da vacinação contra o HPV

A imunização é gratuita e indicada para meninas entre 9 e 14 anos e meninos de 11 a 14 anos durante o ano inteiro

Marcando a mobilização pelo Dia Mundial da Prevenção do Câncer de Colo do Útero (26/03), a Fundação do Câncer lança ação de conscientização sobre a importância da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV), o principal causador da doença. A campanha, com o lema “Forte é quem se cuida”, é direcionada a pais e responsáveis de meninas de 9 a 14 anos e meninos entre 11 e 14, faixas etárias imunizadas gratuitamente nos postos de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) durante o ano inteiro.

Para ajudar nessa ação de conscientização, a Fundação do Câncer conta com a parceria de Popeye e Olívia Palito. “Esses personagens, tão queridos por todos há muitas gerações, foram escolhidos para falar não só com as crianças e adolescentes a serem vacinados, mas principalmente com seus pais e responsáveis, que normalmente cuidam da carteira de vacinação desse público”, destaca Suely Guimarães, gerente de marketing da Fundação do Câncer.

As peças publicitárias serão divulgadas nas redes sociais da Instituição, incluindo Facebook, Instagram, LinkedIn e WhatsApp. A campanha conta ainda com materiais informativos que serão disponibilizados para download gratuito no site da Fundação e poderão ser impressos e utilizados para divulgação da vacinação em instituições de ensino, clubes etc.

Vacinação para prevenção

O câncer do colo de útero é o terceiro tumor maligno mais frequente entre mulheres brasileiras, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Entretanto, essa não é a única doença causada pelo HPV. O vírus, que é sexualmente transmissível, também pode dar origem a cânceres como os de boca, garganta, esôfago pênis, ânus, e a verrugas genitais. Por isso, tanto meninas quanto meninos precisam ser imunizados com a vacina.

“O HPV ainda é cercado de tabus. Sem saber que o vírus causa diversos tipos de cânceres além do de colo de útero, muitos acreditam que apenas as meninas precisam ser vacinadas quando, na verdade, os meninos também necessitam dessa defesa. É também importante ressaltar que a vacinação é feita em duas doses e só é eficaz desde que antes do contato com o vírus.

Ainda há um mito que impede muitos pais e responsáveis de imunizarem seus filhos contra o HPV: o de que a vacina causa graves sequelas. Entretanto, essa é uma forma de prevenção comprovadamente segura e eficaz de se proteger contra o vírus. “Nas campanhas de vacinação, sempre entram em cena algumas notícias falsas sobre a vacina contra o HPV, mas é importante ter em mente que além de não haver perigo na imunização, essa é a forma mais eficiente de se alcançar a erradicação dos cânceres causados pelo vírus”, ressalta Luiz Augusto Maltoni Jr, diretor executivo da Fundação.

Apoie mais ações como essa e ajude a Fundação do Câncer no controle do câncer no Brasil

DOE AGORA