Redome | Fundação do Câncer
DOE AQUI

Redome

 

redome

O Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) foi criado em 1993 em São Paulo e a partir de 2000 foi transferido para o Rio de Janeiro, onde a gestão técnica ficou a cargo do Centro de Transplantes de Medula Óssea do Instituto Nacional de Câncer (Cemo/Inca) e, desde 2009, conta com a gestão operacional da Fundação do Câncer. Trata-se do terceiro maior banco de voluntários à doação de medula óssea do mundo, com mais de 4 milhões de cadastros. O registro americano conta com quase 7,9 milhões e o alemão, com cerca de 6,2 milhões.

O Redome atua articulado aos cadastros de todo o mundo. Atualmente as buscas por doadores para pacientes brasileiros é realizada simultaneamente no Brasil e no exterior. Os bancos internacionais também acessam os dados dos candidatos a doadores a partir de sistemas especializados.

O funcionamento do Redome está diretamente relacionado à Rede Brasileira de Bancos Públicos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (Rede BrasilCord), ao Programa de Busca, Coleta e Transporte de Células-Tronco para Transplante Não Aparentado de Medula Óssea no Brasil, e ao Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (Rereme).

O processo de consulta e busca no Redome é informatizado. O médico responsável insere as informações cadastrais e clínicas do paciente, incluindo o resultado do exame de histocompatibilidade – HLA – (que identifica as características genéticas de cada indivíduo), no sistema do Rereme. Com os dados aprovados, a busca é iniciada. Quando são identificados possíveis doadores compatíveis, a informação é transmitida ao médico, que, juntamente com a equipe de busca do Redome, pode analisar os melhores doadores e fazer a escolha para a realização dos testes confirmatórios.

Após a fase de busca, estando o doador disponível e o paciente em condições de continuar o tratamento, é dado início aos procedimentos de doação. O doador é convocado a realizar a avaliação clínica e a retirada do material para a doação pode ser feita no hospital habilitado mais próximo da residência do doador. Depois de retirado, o material é transportado até o centro onde será feito o transplante.

O transplante de medula é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue, como as leucemias. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

O transplante é realizado a partir de material colhido de um doador ou a partir de células-tronco de cordão umbilical de recém-nascidos, que são obtidas e criopreservadas a partir de doações voluntárias e autorizadas pelas mães. Os bancos da Rede BrasilCord mantêm convênio com maternidades para coleta dos cordões.

O que é preciso para se tornar doador de medula óssea

Ter entre 18 e 55 anos, gozar de boa saúde e não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue. O candidato a doador deve procurar o hemocentro mais próximo de sua casa, onde será agendada entrevista para esclarecer dúvidas a respeito das doações e será feita coleta de uma amostra de sangue (5 a 10 ml) para tipagem de HLA (características genéticas importantes para seleção de um doador). Os dados do doador são inseridos no cadastro do Redome e, sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada. Uma vez confirmada, o doador será consultado para decidir quanto à doação.

O transplante de medula óssea é um procedimento seguro e há duas formas de realizá-lo, cabendo ao médico a escolha da mais adequada a cada caso. Uma das opções é a retirada da medula do interior dos ossos da bacia do doador por meio de punções feitas com agulhas. O procedimento é feito em centro cirúrgico com o paciente anestesiadado.

Na outra opção de transplante, o doador toma uma medicação que faz com que as células da medula óssea circulem na corrente sanguínea. Essas células são retiradas pelas veias do braço do doador, e o procedimento inclui a utilização de uma máquina específica (aférese) para separar do sangue as células necessárias ao transplante.

Em ambos os procedimentos, a medula óssea do doador se recompõe em 15 dias.

Lista de Hemocentros em todo o Brasil.

Os candidatos a doação podem atualizar seus dados no site do Redome.

grafico_1C

grafico_2E