DOE AQUI

III Corrida e Caminhada Com você, pela vida (2011)

A terceira edição da Corrida e caminhada com você, pela vida – Doe medula óssea reuniu cerca de 3 mil participantes no dia 11, no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro. Promovido pela Fundação do Câncer, o evento marcou a abertura da Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea e conseguiu mobilizar 406 pessoas a se cadastrarem como doadores em unidade móvel do Hemorio.

Para o superintendente da Fundação do Câncer, Jorge Alexandre Cruz, o evento já se consolidou no calendário carioca de corridas e de conscientização sobre hábitos saudáveis. “É um dos principais eventos de mobilização. Nosso objetivo é estimular a adoção de práticas saudáveis, fundamentais para a prevenção do câncer, e conscientizar as pessoas para a importância da doação de medula óssea”, disse.

Além de atletas profissionais e amadores, havia muitas famílias, grupos de amigos e da terceira idade, inclusive vários pacientes e ex-pacientes de câncer. O evento contou com a participação da direção e de funcionários da Fundação do Câncer e do Inca. Entre eles, estavam o diretor geral do Inca, Luiz Antonio Santini, e o diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca e coordenador do REDOME, Luis Fernando Bouzas, e o presidente da Fundação do Câncer, Peter Rodenbeck.

A Corrida e caminhada com você, pela vida contou também com a participação de “atletas” e entusiastas das empresas patrocinadoras. Da Bradesco Saúde, compareceram, entre outros, os superintendentes executivos Carlos Rogoginsky, Carlos Viana e Manoel Machado, e Renata Muniz, superintendente de Comunicação. Também marcaram presença representantes do Outback e da Alert.

Do “time” dos patrocinadores, um dos mais animados era o professor Luis Cristovão de Moraes, coordenador do Laboratório de Histocompatibilidade e Criopreservação da Uerj (HLA/Uerj), que participou da corrida pela segunda vez. “Essa corrida me deixa emocionado porque congrega esporte e conscientização sobre câncer e doação de medula. Meu filho e a namorada dele vieram de São Paulo especialmente para participar comigo”, contou.

Campeãs em superação

O paraibano Ivandro Bernardo dos Santos, 31 anos, e a amazonense Raimunda Fonseca, de 45 anos, foram sem dúvidas os mais velozes na III Corrida e caminhada com você, pela vida. Fizeram o percurso de 10 km em 35’22’’ e 40’45’’, respectivamente. Subiram ao pódio e receberam, felizes, seus troféus. Mas para quem conhece as trajetórias de Rosângela Mendonça, 50 anos, e Cláudia Marins, 31 anos, que fizeram os percursos em mais tempo, os títulos de campeãs são delas.

Moradora de Copacabana, a comerciante Rosângela Mendonça participou das edições anteriores da corrida e há cerca de três meses está sob tratamento para um câncer de mama. “Passei por três sessões de quimioterapia e faltam cinco. O médico me liberou para correr 6 km. Estou me sentindo bem e muito motivada para a vida. Essa corrida ajuda a desmistificar o câncer”, disse.

Outra corredora exemplar, que não perde as edições da Corrida e caminhada com você, pela vida, é a agente de saúde Cláudia Marins, 33 anos. Ela passou por um transplante de medula quando tinha 14 anos. Saiu cedo de São João de Meriti, onde mora e trabalha, para participar da prova. “Fico muito feliz em ser exemplo para ajudar a motivar a doação e também a quem precisa de transplante.”

Confira a relação dos vencedores:

No percurso de 10 km masculino
1º lugar – Ivandro Bernardo dos Santos – 35’22’’
2º lugar – José Pinheiro de Sousa – 35’40”
3º lugar – Marcos Antonio Gomes de Lima – 36’39’’

No percurso de 10 km feminino
1º lugar – Raimunda Fonseca – 40’45’’
2º lugar – Monique Floret Guedes – 43’48”
3º lugar – Cristiane Sousa Braga – 50’21”

No percurso de 6 km masculino
1º lugar – Ricardo Marinho da Silva – 20’14’’
2º lugar – Rafael Ferreira dos Santos – 20’32’’
3º lugar – Rafael Vitor Max da Costa – 21’23’’

No percurso de 6 km feminino
1º lugar – Luciene de Souza Barbosa – 25’55’’
2º lugar – Almerita Rosa dos Santos, com 26’24’’
3º lugar – Kavin Mercedes – 27’18’’

Doadores de vida

Os flashes da câmera fotográfica de Maria Bernadete Tavares, 48 anos, chamavam atenção no dia da corrida no posto de cadastramento de doadores de medula óssea do Hemorio, que funcionou no Aterro do Flamengo. Há 8 anos, ela fez um transplante de medula, e no domingo acompanhou o filho, Paulo Gabriel Tavares Silva, no cadastramento no Registro de Doadores Voluntários de Medula Óssea – o REDOME. “Sou muito grata de ter sido salva pela generosidade de alguém”, disse. Foram 406 cadastros em dois dias de funcionamento do posto de coleta.

A supervisora de campanhas de doação de medula óssea do Laboratório de Histocompatibilidade e Criopreservação da Uerj (HLA/Uerj), Mônica Falci, explica que para ser doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 55 anos, não ter doença contagiosa e nunca ter apresentado câncer. Após o preenchimento de ficha com dados pessoais, o doador tem 5 ml de sangue coletados para determinar as suas características genéticas. “Quando há compatibilidade, entramos em contato para fazermos exames complementares e realizar a doação”, explicou.

A medula óssea pode ser retirada através de cirurgia no osso da bacia, ou pelas veias, com a prescrição de medicamentos que acumulam as células tronco da medula nos vasos sanguíneos. A doação de medula óssea é necessária ao tratamento de doenças do sangue, como anemias graves e leucemias.

“Quem pode, tem que participar”, incentivava Maria Bezerra, 59 anos, que participava pela terceira vez da corrida e disse que só não é cadastrada porque não tem mais idade. Depois do percurso de 10 km, Patrícia Oliveira, 38 anos, sentou na grama para descansar e não precisou correr para o posto do Hemorio. “Já sou doadora e o meu sonho é receber um telefonema dizendo que precisam de mim”, disse.

Apesar de o Brasil contar com o terceiro maior banco de doadores, o diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca e coordenador do REDOME, Luis Fernando Bouzas, alerta que muitos ainda aguardam pelo transplante. O médico lembra que é preciso manter o cadastro do doador sempre atualizado para facilitar e agilizar o procedimento. “É importante que as pessoas se conscientizem sempre, mantendo viva essa chama das doações.”

Maria Bernadete (transplantada), Luiz Fernando Bouzas – diretor
do Centro de Transplante de Medula Óssea do INCA (centro) e
Paulo Gabriel (filho de Maria Bernadete, que fez questão de se
cadastrar no REDOME)

Prevenção

O biscoito é levinho, crocante, mas dois pacotes, mesmo fininhos, ultrapassam 5 gramas de sal, quantidade máxima diária recomendada. Essa e outras orientações foram recebidas pelos que estiveram na Tenda da Saúde, novidade da terceira edição da Corrida e caminhada com você, pela vida – Doe medula óssea. Profissionais e voluntários do INCA, o INCAvoluntário e a Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz não se cansaram de dar orientações sobre hábitos saudáveis.

Um senhor que visitava a tenda, segundo a pesquisadora da Fiocruz Raquel Mezzavila, afirmou comer macarrão instantâneo duas vezes por dia por considerar uma refeição leve. “Explicamos que um único pacote de massa tipo Miojo possui 3,8 gramas de sal e que é muito prejudicial à saúde”, conta.

Os visitantes puderam visualizar a quantidade de açúcar a sal de alguns alimentos com a quantidade diária recomendada. Muitos ficaram impressionados. Um lata de refrigerante contém mais da metade da quantidade de açúcar máxima a ser ingerida por dia. Bruna Albuquerque, pesquisadora da Fiocruz, ressaltou a importância da prevenção e da informação no combate ao câncer. “Hábitos saudáveis podem reduzir em 60% a incidência de câncer”, disse.

O estande do INCA, ao lado, expunha panfletos com recomendações de hábitos saudáveis e ações de prevenção realizadas pelo Instituto. Uma equipe do INCAvoluntário também ocupou a tenda, com a oferta de camisetas, bonés e outros acessórios em troca de doações. Angélica Nasser, Relações Públicas do INCAvoluntário, responsável por ações educacionais, recreativas, culturais, de lazer e geração de renda para os pacientes do Instituto, falou sobre as atividades desenvolvidas com crianças com câncer e as de acolhimento de pacientes. “O nosso objetivo é o resgate da cidadania e inclusão social”, afirmou.

Cerca de 3 mil pessoas participaram da III Corrida e caminhada
com você, pela vida – Doe medula óssea, no Aterro do Flamengo

Rosângela Mendonça iniciou, há 3 meses, tratamento contra um
câncer de mama

Cláudia Marins, que passou por um transplante de medula quando
tinha 14 anos, fez questão de participar do evento

As vencedoras do percurso de 6 km feminino

Os vencedores do percurso de 6 km masculino

As vencedoras dos 10 km feminino

Os vencedores dos 10 km masculino

Da esquerda para direita: Luis Fernando Bouzas (diretor do Centro de
Transplantes de Medula Óssea do INCA), Renato Achutti (Gerente
Executivo da Fundação do Câncer), Peter Rodenbeck (Presidente da
Fundação do Câncer) e Jorge Alexandre Cruz (Superintendente da
Fundação do Câncer)

Da esquerda para direita: Renato Achutti, Luiz Antonio Santini (Diretor
geral do INCA), Luis Fernando Bouzas e Jorge Alexandre Cruz

Na tenda da saúde os participantes receberam orientações
sobre como manter hábitos saudáveis

Por fim, 406 pessoas se cadastraram como doadores
voluntários de medula óssea na unidade móvel do Hemorio