Cigarros eletrônicos que contêm nicotina podem aumentar risco de enfarte e AVC | Fundação do Câncer
DOE AQUI

Cigarros eletrônicos que contêm nicotina podem aumentar risco de enfarte e AVC

Notícias

Segundo cientistas, dispositivos causariam aumento da frequência cardíaca e da pressão

Segundo pesquisadores, o número de pessoas usando cigarros eletrônicos vêm aumentando – Guilherme Leporace/ Agência O Globo

RIO – Cigarros eletrônicos que contêm nicotina podem aumentar os riscos de enfarte e de derrames, indicam pesquisadores. Um estudo descobriu que o uso desses dispositivos contendo o estimulante pode causar um endurecimento das artérias, assim como aumentar os batimentos cardíacos e da pressão arterial.

Cientistas suecos recrutaram 15 voluntários saudáveis para participarem do experimento. Nenhum deles havia usado um cigarro eletrônico antes.

Os testes mostraram que, em 30 minutos após o fumo no dispositivo com nicotina, havia um aumento significativo na pressão arterial, na frequência cardíaca e na rigidez das artérias.

Os mesmos efeitos não foram detectados nos voluntários que usaram os cigarros eletrônicos sem nicotina.

Magnus Lundback, do Instituto Karolinska, universidade médica em Estocolmo, afirmou: “O número de usuários de cigarros eletrônicos aumentou dramaticamente nos últimos anos. Os cigarros eletrônicos são considerados pelo público em geral como quase inofensivos”.

“As indústrias marcam seus produtos de uma forma a reduzir danos e a ajudar pessoas a pararem de fumar cigarros de tabaco. Por outro lado, a segurança de um cigarro eletrônico é debatida, e uma amostra em crescimento de evidências vem sugerindo diversos efeitos adversos à saúde”.

Ele ressalta que os resultados são preliminares, mas que, nesse estudo, já foi descoberto que há um aumento relevante na alteração da frequência cardíaca e da pressão arterial nos voluntários expostos ao dispositivo com nicotina.

Enquanto os resultados apontados pelo estudo foram temporários, Lundback disse que a exposição crônica aos dispositivos com nicotina podem ter efeitos permanentes.

 

Fonte: O Globo – 11/09/2017